CLICK HERE FOR BLOGGER TEMPLATES AND MYSPACE LAYOUTS »

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

"Oito Anos" (Paula Toller)

“Queria voltar a ser criança porque os joelhos ralados curam bem mais rápidos do que um coração partido.”

Depois de passar um longo tempo sem escrever aqui, volto. Os posts dessa semana estão mais que atrasados. Idéias legais que vieram à mente pro dia das crianças e por turbulências no caminho, ficaram arquivadas. Edu, como sempre, com o texto pronto no prazo, e eu, protelando, até que hoje tomei coragem pra terminar a gestação desse texto de dia das crianças. Parindo a idéia de voltar no tempo, pois o passado me traz uma lembrança do tempo que eu era criança, usarei de Paula Toller na fofíssima “Oito Anos”. Letra que mostra toda curiosidade do filho da compositora, e é uma forma deliciosa de viajar na máquina do tempo de volta à “melhor idade”.

Quem não lembra de como é ter oito anos?

É já saber ler, é aprender a andar de bicicleta, é ser um pequeno filósofo, levantando grandes questões que parecem não ter resposta. Mas por quê? Por quê?

É esperar pelo natal, e ele nunca chega. E esse misterioso Papai Noel? Ouvi dizer que não existe, mas eu já vi! Será que descobri um segredo que nenhuma criança sabe?

Lembro do cheiro de pipoca doce na saída da escola quando eu tinha oito anos. E de acreditar que o país das maravilhas era no fundo do meu quintal, com suas árvores enormes e tantas flores diferentes, algumas dormiam quando a gente tocava nelas, e só acordavam segunda-feira!

Por que existe bicho com cara de palhaço? Cen-to-péia! Porque se eu encostar o dedo nela dói? Porque a manga da blusa tem o mesmo nome da fruta da mangueira? Por quê?

E nesse mar de fantasias sem pé nem cabeça, entre casas engraçadas, sem teto e sem chão, e perguntas infinitas, nós viajávamos. Até crescer e esquecer de perguntar os porquês. Qualquer resposta nos satisfaz, e não questionamos mais. Por quê?

Por que o céu é azul? Me explica a grande fúria do mundo. Por que existe fúria no mundo? Ele não é um país das maravilhas. Por que as pessoas só são felizes pra sempre nos contos de ficção? Como se escreve reveillon?

Well, well, well, Gabriel...

Por que os dedos murcham quando estou no banho? O que significa “Impávido colosso”?

Não sei, vamos aprender juntos?

Por que os ossos doem enquanto a gente dorme? Por que as ruas enchem quando está chovendo?

Porque é isso que acontece se a gente jogar lixo no chão.

Por que as unhas crescem? Por que o vidro embaça?

Não sei, nessa você me pegou.

Porque os dentes caem? Por onde os filhos saem?

Ops...Vamos chamar seu pai pra explicar?

Se as nossas perguntas que afundam sem respostas fossem tão simples quanto as que circundam o universo de uma criança, seríamos mais confiantes das respostas. Mas seríamos mais felizes?

Perdemos com o tempo, a nossa capacidade de questionar indeterminadamente. Hora ou outra, cedo ou tarde, uma resposta qualquer vai bastar para nos calar. Onde foi parar a magia? Até bem pouco tempo atrás poderíamos mudar o mundo. Quem roubou nossa coragem?

Por que deitar agora? É tarde, e você tem que ir pra escola amanhã.

Por que as cobras matam? Elas só se defendem, quando se sentem ameaçadas.

Do que é feita a nuvem? De algodão doce.

Do que é feita a neve? Aposto que é de sorvete.

Quem é Jesus Cristo? O melhor Homem que já existiu.

Quanto é mil trilhões vezes infinito? Por que o fogo queima? Por que a lua é branca?

Por que o sangue corre? Por que você se pinta? Por que que a gente espirra? Por que que a gente morre?

- Muitas perguntas não tem respostas, sabe.

- Mas por quê?

- Eu gostaria de saber. Com o tempo, você entende.

- E por que o tempo passa?

- Well, well, não sei Gabriel, não sei. Queria ficar aqui pra sempre.

By Mônica (A mãe do Gabriel, que um dia vai existir.)

Link da Letra:

http://letras.terra.com.br/paula-toller/211582/

2 comentários:

Angélica Lins disse...

Fiquei saudosa...
Boas lembranças vieram a mente.

=)

Abraço!

bruno disse...

Tenho algumas perguntas para fazer?

Por que seus textos são sempre perfeitos?
Por que quanto mais tempo passa, mais eu te amo?

Você fez um texto lindo, que evoca perfeitamente o espírito de todos que um dia tiveram (e viveram) oito anos.

Te amo!